O ALTAR NA ACADEMIA SINO-BRASILEIRA DE KUNG-FU


Uma história de trabalho


A história da fundação da Academia Sino-brasileira de Kung-fu®️ é uma história da trabalho árduo. Chegando ao Brasil dia 11 de abril de 1960, sozinho, depois de um mês e meio em viagem de navio, sem falar português, um jovem de 26 anos vindo da China estava decidido a construir aqui sua nova vida. O trabalho não o assustava, pelo contrário estava sempre a procura dele. E assim logo encontrou emprego, trabalho, moradia, fez amigos, se juntou a outros imigrantes, ajudou e foi ajudado, trabalhou, ensinou, casou, trabalhou, melhorou de vida, ajudou, conheceu muitos brasileiros, ensinou ....e se passaram 5, 10, 13 anos.


Em 24 de março de 1973 o agora senhor casado, com filhos, sócio de restaurantes, uma casa, ainda sem carro....abriria também sua academia, o início de uma escola, onde iria ministrar aulas de artes marciais pelas 5 décadas que se seguiriam.


O primeiro altar


Primeiro altar da Academia Sino-brasileira de Kung-fu®️, início dos anos 1970. Ao centro a placa vermelha paiwei 牌位; acima o símbolo da academia criado pelo Grão-mestre Chan e hoje marca registrada. Os retratos dos mestres do Bei Shaolin 北少林 um de cada lado.

A nova “casa” era bem simples, no bairro da Barra Funda em São Paulo, e ali poderia finalmente render homenagem aos seus professores, aos mestres que incentivaram sua carreira marcial. Era montado assim o primeiro altar em homenagem ao estilo principal que ensinava: o Bei Shaolin 北少林 (“Shaolin do Norte”)(*) [veja nota de rodapé para critério dos nomes]. Na posição central, a placa vermelha, paiwei 牌位, evocando a grande corrente mestre-discípulo responsável por trazer o conhecimento ao longo do tempo. O desenho do símbolo da Academia Sino-brasileira de Kung-fu®️ enfeitando o meio da parede, também saía do papel e passava a figurar o centro do altar bem como o uniforme de seus alunos. E, claro, os retratos dos mestres representando a linhagem do Bei Shaolin 北少林 : do lado esquerdo o mestre do Grão-mestre Chan: Yim Sheung Mo 嚴尚武 (**) e do lado direito o mestre deste: Gu Ruzhang 顧汝章.


O segundo altar


Segundo altar da Academia Sino-brasileira de Kung-fu®️ início dos anos 2000. Os mestres do Bei Shaolin 北少林 passaram para o lado direito do altar e os mestres do Xiongsheng Cailifo 雄胜蔡李佛(“Hung Sing Choy Lei Fut”) figuram agora o lado esquerdo da placa.


Algumas décadas se passaram, muitos alunos vieram, alguns se formaram professores, algumas viagens de visita à terra natal, encontros com os mestres e colegas e a gratidão se mostrou vívida: um novo altar se configurou. Ele sempre prezou o estilo de seu primeiro professor - que o recebeu aos 5 anos de idade. Por recomendação deste foi procurar o mestre Yin Yue Chui 甄耀超 do estilo Xiongsheng Cailifo 雄胜蔡李佛 (“Hung Sing Choy Lei Fut”) para continuar seus treinamentos. Assim, em homenagem ao início – e ao princípio - fez a colocação dos dois retratos no altar de sua Academia, configuração que permanece até hoje. Do lado direito estão os mestres da linhagem do Bei Shaolin 北少林 (que pertenciam ao primeiro altar): o mais velho mais à direita.

Do lado esquerdo do altar figuram agora os mestres do Estilo Xiongsheng Cailifo 雄胜 蔡李佛 (“Hung Sing Choy Lei Fut”): à direita o retrato do mestre Zhen Yan Chu 甄炎 初 e à esquerda deste, o retrato de seu filho mestre Yin Yue Chui 甄耀超.


“Obrigado Grão-mestre Chan, pelo grande exemplo de trabalho! “




_________________________________________________________



(*)Para a grafia dos termos em chinês iremos adotar o seguinte critério: primeiro - a palavra
em itálico no sistema fonético pinyin; segundo - os ideogramas usuais na China; terceiro -
entre parêntesis e entre aspas a grafia fonética anteriormente usada no Brasil e em outros
países antes do sistema padronizado (que alguns ainda estão acostumados). [Fonte: Central
Sinobrasileira Chan Kowk Wai – Conselho de Editoria]
(**) Para os nomes próprios adotaremos a mesma regra acima com exceção dos casos em que o documento de registro civil esteja com romanização distinta do Pinyin: nesses casos, prevalece a escrita conforme o documento. Ex. Chan Kowk Wai será o nome oficialmente adotado uma vez que assim consta no documento de registro civil dele.( Em Pinyin seria Chen Guowei.) [Fonte: Central Sinobrasileira Chan Kowk Wai – Conselho de Editoria]
O Pinyin é o nome do sistema criado na China para transcrever os ideogramas em letras
romanas, adotado oficialmente em 1958. Ele substituiu outros sistemas de escrita fonética
para o mandarim, dialeto oficial da China. A padronização influenciou a maneira como
palavras chinesas são escritas em outras línguas, inclusive no português, onde “Lao-Tsé”,
por exemplo, passou a ser escrito “Laozi” e “Pequim” se tornou “Beijing”. [Fonte: Instituto
Confúcio – UNESP
720 visualizações